Costa diz que escândalo na Petrobras envolve dezenas de políticos

Ex-diretor da estatal fez acareação com Nestor Cerveró na CPI mista.

 
 
MVN Detalhes:
 
 
* Operação Lava Jato está unida umbilicalmente ao Mensalão;
* O que acontecia na Petrobrás, acontece no Brasil inteiro, nos portos, aeroportos, rodovias, ferrovias, nas hidroelétricas;
* A responsabilidade pela compra de Pasadena era de todos os integrantes do Conselho de Administração que foi presidido por Dilma Rousseff;
* Os políticos citados na delação premiada chegam a algumas dezenas.
 

Dois ex-diretores da Petrobras, Paulo Roberto Costa e Nestor Cerveró, ficaram frente a frente na CPI mista que investiga as denúncias de corrupção na empresa. Durante essa acareação, Paulo Roberto, que cumpre prisão domiciliar, declarou que confirma tudo o que já falou à Justiça federal. Ele também relatou que, na delação premiada - que é sigilosa - detalhou a participação de dezenas de políticos no esquema.
 
O ex-diretor de abastecimento repetiu que o esquema de corrupção está espalhado pelas obras no país.
 
O que acontecia na Petrobras acontece no Brasil inteiro. Nas rodovias, nas ferrovias, nos portos, nos aeroportos, nas hidrelétricas. Isso acontece no Brasil inteiro, é só pesquisar. É só pesquisar, porque acontece”, afirma Paulo Roberto Costa.
 
Parlamentares reclamaram. “Depoimentos diametralmente opostos. Alguém está mentindo aqui, provavelmente pela segunda vez. Nós precisamos saber qual dos dois está falando a verdade e qual dos dois está mentindo”, diz Arnaldo Jordy.
 
Em pelo menos um ponto os dois concordaram: disseram que a responsabilidade pela compra de Pasadena era de todos os integrantes do Conselho de Administração, que foi presidido por Dilma Rousseff. A presidente chegou a dizer neste ano que a compra foi uma decisão tomada com base em um parecer falho de Nestor Cerveró.
 
Paulo Roberto respondeu ainda sobre um e-mail, revelado pela revista “Veja”. A reportagem mostrou que Paulo Roberto escreveu em setembro de 2009 a Dilma Rousseff, então ministra da Casa Civil, alertando que o TCU havia recomendado ao Congresso a imediata paralisação de três obras da estatal. Entre elas, a Refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco.
 
“Porque esse processo estava me enojando. E eu fiz aquele alerta que nós estávamos com problema”, afirma Paulo Roberto Costa.
 
Enio Bacci, deputado: Eu gostaria de sair daqui premiado com a informação de quantos políticos aproximadamente foram citados na delação. O senhor poderia me dar essa alegria?
 
Paulo Roberto Costa: O senhor não pode me deixar em situação constrangedora, mas algumas dezenas.
 
 
Fonte: 'leia na íntegra e assista ao vídeo em':
 
 

Nenhum comentário: