15 de Novembro: São Paulo com manifestação cobra nova República sem corrupção

    15/11/2014

Um fim de semana histórico não só pela data, “15 de novembro – Proclamação da República”, mas pela manifestação que tomou conta das ruas de São Paulo cobrando o fim da corrupção,  justiça e transparência para um dos maiores escândalos que se tem conhecimento na História do Brasil, o da Petrobras. Nesta tarde de sábado, Avenida Paulista ficou completamente tomada por manifestantes de diversas idades, classes sociais e políticos de oposição ao governo do PT. Uma manifestação que ganhou corpo ao iniciar com apenas 2 mil pessoas na frente do Museu da Arte de São Paulo, por volta das 14h, e foi dividida em dois grupos, um saiu da frente do Masp e seguiu para a Praça da Sé e outro seguiu para o Ibirapuera.

Centenas de faixas e cartazes repudiavam o governo e exigiam justiça para o grau máximo de corrupção que se alastra pelo País. Muitos “caras pintadas” lembraram o movimento “Fora Collor”, que conseguiu promover o impeachment do presidente Fernando Collor de Mello e agora renovam as solicitações para a presidente reeleita Dilma Rousseff. O cantor Lobão, figura emblemática em protestos políticos, estava em um dos cinco carros de som, bem como o deputado federal Jair Bolsonaro e o filho Eduardo. O vice na chapa de Aécio Neves (PSDB), Aloysio Nunes também estava presente.



O protesto seguiu de maneira pacífica e foi acompanhado por um contingente da Tropa de Choque e demais policias militares, cerca de 500. As câmeras da PM registraram tudo. A maioria com roupas nas cores verde e amarela gritava  “Fora Dilma”, “fora PT”, “Aqui não é a Venezuela”. Muitos cartazes diziam “O Brasil pede socorro. Viva a liberdade!”. Outros, “A bandeira do meu País jamais será vermelha”, em alusão à bandeira do PT. Por volta das 18h, a manifestação ocupou a Praça da Sé, reduto histórico das “Diretas Já” e palco im'aculado do PT, quando Lula se fortaleceu como líder do partido. Aliás, o local foi lembrado por Paulo Eduardo Batista, que o comparou ao “cativeiro do PT [...] e que de sequestro eles entendem bem”. Para encerrar, os manifestantes cantaram o "Hino Nacional" e prometeram outras manifestações.

Um tema a mais

A disposição para o ato de protesto ficou maior neste sábado, depois que todos os brasileiros foram supreendidos na manhã desta sexta-feira (14) com o cumprimento dos mandados de prisão dos envolvido na organização criminosa, que tinha como finalidade a lavagem de dinheiro e a prática de crimes contra o Sistema Financeiro Nacional dentro da Petrobras. A “Operação Lava Jato”, iniciada em março deste ano, envolve políticos, donos empreiteiras, doleiros e parte da diretoria da Petrobras, que de acordo com os dados do Conselho de Controle de Atividades Financeiras/MF e apresentados pela Polícia Federal e Receita, somam um rombo que supera os R$ 10 bilhões.

Ao final do dia, foram cumpridos mandados de prisão preventiva, 4 em São Paulo (SP). De prisão temporária, 13 mandados: 6 em São Paulo/Capital; 1 em Osasco/SP; 1 em Santos/SP; 4 em Rio de Janeiro/RJ; e 1 em Salvador/BA (este mandado estava previsto para ser cumprido em São Paulo/Capital).
De busca e apreensão foram cumpridos, 49 mandados: 29 em São Paulo/Capital; 11 no Rio de Janeiro/RJ; 2 em Recife/PE; 1 em Jundiaí/SP; 1 em Santos/SP; 2 em Curitiba/PR; 1 no Distrito Federal; 2 em Belo Horizonte/MG;
De condução coercitiva foram expedidos 9 mandados. O número de conduções coercitivas por local: 3 em São Paulo/Capital; 1 em Jundiaí/SP; 1 em Recife/PE; 2 no Rio de Janeiro/RJ; e 2 em Belo Horizonte/MG.
Foi decretado o bloqueio de aproximadamente R$ 720 milhões em bens pertencentes a 36 investigados.

Ao todo, 300 policiais federais, com apoio de 50 servidores da Receita Federal, atuaram nos estados do Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Pernambuco, além do Distrito Federal. Foi autorizado também o bloqueio integral de valores pertencentes a três empresas referentes a um dos operadores do esquema criminoso.

Sem dúvidas, um fim de semana histórico.

Leia na ìntegra


Nenhum comentário: