E a CPI do Cachu..., hein?

Sim, mas analisemos também o que poderia ter ocorrido quando da não aprovação do Relatório final da CPI do Cachoeira:

Teria alguma relação com os atos finais do julgamento do Mensalão?




Tratou-se de uma investigação pente fino sobre práticas criminosas de agentes públicos e privados.


“O cruzamento dos dados feito pela CPI indica que, nos últimos 10 anos, pouco mais de 122 mil pessoas físicas e jurídicas diferentes fizeram, ao menos, uma transação com os investigados. Os números apontam ainda que, entre 2002 e 2012, aproximadamente 3,6 milhões de transações financeiras foram registradas, sendo R$ 42,053 bilhões relativos a créditos e R$ 42,298 bilhões referentes a débitos nas contas das 75 pessoas físicas e jurídicas. Valores elevados e que podem ser ainda maiores”.

Carlinhos Cachoeira e mais 81 pessoas na mira da Operação Monte Carlo são indiciadas pela Polícia Federal por crimes como corrupção ativa e passiva, lavagem de dinheiro, falsidade ideológica, contrabando, formação de quadrilha e violação de sigilo profissional, além da contravenção penal de exploração de jogo de azar.

82 mandados judiciais, 37 mandados de busca e apreensão, além de 35 mandados de prisão e 10 ordens de condução coercitiva em cinco Estados.

Escutas e Relatório do Ministério Público Federal publicados pela Folha mostram que Demóstenes Torres usou o cargo para negociar um projeto de R$ 8 milhões em favor da Construtora Delta, posteriormente o Senador teve seu cargo cassado pelo Senado, por unanimidade.

Grampos da Polícia Federal durante a Operação Monte Carlo revelam a ligação entre Carlinhos Cachoeira e políticos de Goiás, incluindo o Governador Marconi Perillo (PSDB) e o senador Demóstenes Torres (sem partido - GO).

O Deputado Federal Cândido Vaccarezza (PT-SP) é flagrado durante sessão da CPI do Cachoeira garantindo blindagem do PT ao Governador do Rio, Sérgio Cabral (PMDB), que corria risco de ser convocado a depor na comissão. As imagens do SBT mostram a mensagem de Vaccarezza a Cabral: “A relação com o PMDB vai azedar na CPI. Mas não se preocupe, você é nosso e nós somos teu ", escreveu Vaccarezza a Cabral.

Segundo reportagem da revista "Veja", o ex-presidente Lula procurou o ministro do Supremo Tribunal Federal, Gilmar Mendes para tentar adiar o julgamento do Mensalão. Em troca da ajuda, Lula ofereceu ao ministro blindagem na CPI.

Em depoimento, o ex-diretor geral do Dnit Luiz Antonio Pagot confirma ter procurado dezenas de empresas com contratos com o órgão para que elas fizessem doações para a campanha da presidente Dilma Rousseff, em 2010. Ele relatou ter participado de um jantar na casa do ex-senador Demóstenes Torres com a participação do dono da empreiteira Delta, Fernando Cavendish.

Integrantes da CPI do Cachoeira pedem à Procuradoria da República em Goiás o sequestro de bens e a entrega de passaporte de todos os suspeitos de integrar o grupo de Cachoeira. A estimativa era que o valor total dos bens chegasse a R$ 140 milhões.

Oito meses de investigação, 29 acusados, 12 responsabilizados, entidades de imprensa envolvidas, julgamento da prisão imediata dos condenados no Mensalão, 5000 mil páginas de Relatório para nada?

Isso cheira muito mal, e pode tratar-se de uma das maiores maracutaias já presenciadas na história do nosso Brasil.

São os incontáveis acordos e acordões dessa política à brasileira, é claro, lamentavelmente sempre recheada com uma enorme dose de suspeitas!

Nenhum comentário: