Em toda mentira, "pode haver" um fundo de verdade, não é mesmo ilustre Deputado?

Já dizia um sábio que "onde há fumaça, há fogo", ao que complementou um outro tão sábio quanto o primeiro: "em toda mentira há um fundo de verdade".

Então, foi assim que, num ato de total desespero, o Deputado Aldo Rebelo riscou uma faísca do que tinha consciência ser a mais pura das verdades:  "Ela disse que eu fraudei o relatório. "quem fraudou a exportação de madeira foi o marido dela", e acrescentou em alto e bom tom para quem pudesse ouvir: "como Ministro da Coordenação Política do governo, atuei para  que o 'outro' não tivesse de depor na Comissão de Fiscalização e Controle da Câmara".

 Bom, não somos sábios, mas mesmo que fossemos não nos seria permitido alterar sozinhos essa "palhaçada" que ironicamente somos obrigados a engolir que se chama "política brasileira". Portanto para nós, como não bastasse termos de engolir a seco que o personagem atuou com tanto vigor pelo não depoimento de um dos citados em um crime, é bem óbvio que o ilustre Deputado soltou o que sabia sem querer, num ato desesperado, ou seja, falou a verdade ora engavetada na sua consciência.

"Quem tiver olhos de ver, que veja, e quem tiver ouvidos de ouvir, que ouça!" 

Enfim, os "panos quentes" já estão devidamente colocados, a imprensa publicou, o povo engoliu, e tudo como sempre será esquecido, afinal na "brasilândia" nem tudo é investigado e não são todos os ladrões que irão parar no cadeião, principalmente se for ilustre e considerado como quem não precisa dar maiores explicações sobre o que afirma !!! ??? ...

Pois é dna. Marina Silva, por detrás de todo "santo", parece que sempre tem um "pau-ôco".

Nenhum comentário: