Bolsonaro agora ataca de panfleto antigay

O deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ) ganhou destaque na imprensa nesta quarta-feira, 11, por protagonizar mais uma polêmica. Dessa vez, segundo informações da Folha de S. Paulo, Bolsonaro mandou imprimir 50 mil cópias de um panfleto contra o plano nacional que defende os direitos dos homossexuais.

Jair Bolsonaro não revelou quanto gastou, mas já disse que pretende repassar a conta para os cofres públicos: fala em incluir a despesa em sua verba de gabinete e pedir reembolso da Câmara.

O material está sendo distribuído em residências e escolas do Rio de Janeiro. Um dos textos do impresso chega a associar a homossexualidade à pedofilia.

“Apresento alguns dos 180 itens deste que chamo Plano Nacional da Vergonha, onde meninos e meninas, alunos do 1º Grau, serão emboscados por grupos de homossexuais fundamentalistas, levando aos nossos inocentes estudantes a mensagem de que ser gay ou lésbica é motivo de orgulho para a família brasileira”, diz o folheto na primeira de suas quatro páginas.

“Querem, na escola, transformar seu filho de 6 a 8 anos em homossexual. Com o falso discurso de combater a homofobia, o MEC, na verdade incentiva o homossexualismo (sic) nas escolas públicas do 1º grau e torna nossos filhos presas fáceis para pedófilos”, diz o panfleto do deputado.

O principal alvo é o que o deputado chama de “kit gay”, material didático antidiscriminação preparado pelo Ministério da Educação que será distribuído a escolas públicas. No material há filmes em que adolescentes descobrem-se de orientação homossexual.

O MEC diz que o material ainda está sob análise, mas deve ser distribuído no segundo semestre somente em escolas do ensino médio, cujos alunos têm 14 anos ou mais. O uso será opcional.

Na internet, a posição de Bolsonaro divide opiniões. No Orkut, existem comunidades tanto a favor da visão do deputado, como a “Jair Bolsonaro para presidente”, com 3.307 membros, quanto contrárias, como é o caso da“Fora Jair Bolsonaro”, com 2.180 membros. No Facebook, quem é contrário ao deputado aproveita para pedir aos curtidores da rede social que participem de mobilizações contra o deputado.

CQC – Em março deste ano, o deputado participou do quadro “O Povo Quer Saber”, no programa CQC, da Rede Bandeirantes. Em resposta a uma pergunta foi feita pela cantora Preta Gil, que questinou qual seria a reação de Bolsonaro se o filho dele se apaixonasse por uma negra, o deputado respondeu:

“Preta, não vou discutir promiscuidade com quem quer que seja. Eu não corro esse risco e meus filhos foram muito bem educados. E não viveram em ambiente como lamentavelmente é o teu”.

Fonte: Jornal A Tarde

Um comentário:

Marcos Borkowski disse...

Concordo em gênero, número e grau com o Deputado. Acrescento ainda que maior vergonha ainda está em alguns poucos magistrados, colocados no cargo e não eleitos por vontade dos cidadãos, tomem decisões como estas indo contrariamente a vontade de milhões de brasileiros que são contrários a esta pouca vergonha. Matérias como estas são dígnas de prebliscito e não do julgo de apenas alguns juristas. Uma vergonha! O que me consola, é que por mais que falem isto ou aquilo, segundo a Bíblia, que é a única Palavra que importa para mim, estes podem até encontrar amparo aqui nesta vida, mas jamais um fornicador encontrará salvação de quem realmente interessa, Deus. 1 Coríntios 6:9-10; Hebreus 13:4. E ponto final.