Da série "PINÓQUIOS de plantão..."



***

Pois é... Em 2007 anunciaram que cerca de R$ 503 bilhões seriam empregados no país até 2010, e deste montante de dinheiro foi investido apenas 11% do que divulgou, e a grande parte das obras encontram-se atrasadas.
Querem mais exemplos? São Paulo (até jan/2010) das 915 obras, apenas 107 foram concluídas; o programa "Minha casa, minha vida", lançado em março do ano passado, previa 1 milhão de moradias, e em um ano do programa mal chega de 20% de contratos firmados para a construção... construídas nem se fala! Agora o governo apresenta uma nova versão, duas vezes maior, o "Minha Casa, Minha Vida 2", que prevê 2 milhões de moradias até 2014!!!
Farsas... só farsas! História da carochinha, nesse faz de conta insuportável, e um povo sem vergonha na cara e que se vende por qualquer coisa que mantenha seu estado de mendicância! Não é mesmo de se admirar que um governo de farsas como o nosso goze de tanta popularidade!





PAC2, uma antecipação do 1° de abril
 
(Giulio Sanmartini) O presidente da República no lançamento do PAC 2, mostrando-se irritado, disse em seu discurso: “Eu ia amanhã para a Transnordestina, inaugurar a fábrica de dormentes, a maior do mundo, e a fábrica de brita. Sozinha, a usina de brita vai produzir mais brita que as 40 que têm em São Paulo. Não vamos porque não está pronta. Esse compromisso foi feito comigo em janeiro. E não está pronta”.

Ora, Lula cansou de inaugurar assinaturas maquetes, conclusões de obras que voltavam a ser construídas, por que de repente ele deixaria de continuar a fazer o mesmo?

A resposta é fácil, o presidente andou abusando de inaugurações de mentirinha e estas foram divulgadas pela imprensa, o que pegou muito mal para ele. Com essa afirmativa pretendeu limpar sua barra.
Mas ao mesmo tempo em que se propunha a parar com essa farsa, estava dando início a outra muito maior que foi a engodo PAC 2. Lula não teve vergonha de servir-se do PAC 1 para inflá-lo com investimentos em obras no setor de energia e incluiu pelo menos uma usina sem chances de sair do papel. O governo pôs na lista de obras uma hidrelétrica a construir dentro de uma reserva ambiental que o próprio presidente criou.

A hidrelétrica de Tabajara, na região amazônica, com previsão para produzir 350 megawatts, teve seu processo de avaliação paralisado depois que o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), ligado ao Ministério do Meio Ambiente, conseguiu mostrar que o projeto afetaria diretamente o Parque Nacional dos Campos Amazônicos. O parque foi criado por decreto presidencial em junho de 2006.

O dia 1° de abril é de Lula e para ele, todos os dias são 1° de abril.
(*) Texto de apoio: Renato Andrade